Diálogos a uma polegada acima da terra

RECUPERAÇÃO DA FÉ NUM MUNDO INTER-RELIGIOSO

James W. Heisig

Rio de Janeiro: Edição Loyola, 2004, 219 pag..

“Cada um dos ensaios neste livro trata de um aspecto particular do diálogo com a espiritualidade do nosso tempo. Atrás deles, está a simples convicção de que muito da fé da religião tradicional tem mudado para o reino secular, e nem a religião tradicional nem o século se ajustaram à situação. Ambos estão sofrendo com o deslo-camento….
   Em uma época do deslocamento da crença, talvez o desejo de desacreditar é que seja a grande virtude. O ceticismo simples visando as doutrinas e as instituiçþes que falharam em dar uma base para a fé e a esperança e o amor da época, não importa quão razoa-vel e moralmente inspirado, não é bastante. A descrença tem de ser aprofundada e cultivada se tiver alguma vez de apontar o caminho para recolocar a fé em novas doutrinas e instituiçþes. Como o anjo segurado fortemente por Jacó em Penuel, deve-se lutar até que dê uma benção que possa ser passada para aqueles que nos seguem. Este livro é o registro de minhas próprias tentativas de dialogar com o tipo de descrença que, creio, a fé do ³nal do século vinte nos força.…

Diz-se do poeta budista do século doze, Saigyō, que ele tentou viver a “uma polegada acima da terra.” Isso me parece exatamente a postura certa para dialogar com o lado espiritual da descrença: não com os dois pés plantados ³rmemente no cotidiano, nem andando nas núvens-mas µutuando à altura de um polegar acima da terra. João, o Evangelista, nos aconselha a “estar no mundo, mas não ser do mundo.” Gosto de pensar que nos diálogos com outros meios espirituais, secular ou religioso, é possível ser da minha tradição cristã sem me posicionar nela. Se as religiþes devem coexistir umas com as outras e com o século, e manter sua fé uma na outra, esta postura tem de ser mais do que um exercício intelectual con³ado a especialistas treinados em “diálogo.” Tem de ser cultivado como uma nova virtude para a qual nada na tradição nos dá velhos hábitos com os quais contar.”      — Introdução

Edições em inglês, romeno e espanhol

James W. HEISIG é pesquisador do Instituto Nanzan de Religião e Cultura, em Nagoya, Japão, desde 1978, e durante dez anos desempenhou as funções de diretor do instituto. Após concluir estudos de doutorado na Universidade de Cambridge e antes de se instalar no Japão, lecionou nos Estados Unidos e na América Latina. É autor, editor e tradutor de mais de 70 livros. Suas obras incluem El cuento detrás del cuento (1976), Imago Dei: A Study of C. Jung’sPsychology of Religion (1979), e Filósofos de la nada: Un ensayo sobre la escuela de Kioto (2002).

 

送料込